15/07/08

A burocracia, essa já todos conhecemos, não é verdade?

Stressadinhos que os candidatos andam... estamos na altura de nos aplicarmos para o acesso ao ensino superior, não estudando, mas dando mais do corpo ao manifesto. Isto para os que, como eu, preferem fazer a candidatura de corpo presente, e não confiar "nessas novas tecnologias que um dia destes ainda nos vão governar a todos!". Bolas, sou um homem das cavernas, não sou?! Tenho o direito de pensar assim... (Yeah... Right...).
Bom, fui hoje ao estabelecimento no meu distrito para me candidatar, já com tudo preparadinho e pronto a preencher o papel, entregar, e ir satisfeito. Eu quase nem necessitei do guia, só para confirmação mesmo. Já levei o trabalho de casa feito. Mas quando tudo corre bem, há que desconfiar, certo!? Exacto...
Geralmente estes cursos mais "artísticos" exigem confirmações do nosso estado de saúde e etc., os chamados pré-requisitos, e segundo o que eu tinha ideia estava tudo controlado, pois os exames médicos são apenas para entregar no acto de inscrição, quando já soubermos em que antro de vinho e maluqueira (Universidade, portanto) estamos colocados. Mas houve um pré-requisito especial que fiz, o do politécnico do porto, que foi do tipo de selecção, e que felizmente fui aprovado e tudo mais. Coisa que eu não sabia, e nem fui informado quando me apresentei lá para a requintada entrevista, nem em mais nenhum outro lugar, é que era preciso pedir o comprovativo do pré-requisito. Soube hoje... na entrega da candidatura...
Outra questão, mais restrita ao sistema da secundária onde estudei, é a da preferência regional, que na minha ficha vem "não especificada", ou seja, ainda tenho que ir lá pedir que "me a especifiquem, se faz favor", para poder beneficiar dela.
Vim, além de triste por não ser um candidato de rabo alçado à espera de ser colocado (má escolha de palavras...), furioso com toda a situação. Não que a culpa fosse lá dos docentes que me atenderam, mas é inevitável sentir-me mal com as caras que me negaram a candidatura. Mais ainda, e esta é a cereja na ponta do bolo, não que muito grave, mas parece que foi de propósito: Cheguei a casa, e na urgência de tratar o mais depressa possível desta situação, liguei para os serviços centrais do IPP, na esperança de saber se era possível ser-me enviado o comprovativo por correio, ou se teria que me deslocar meio país (vá... vocês entendem a hipérbole) para ir busca-lo, ao que me respondem com sotaque e voz típica de telefonista: "ôôôlhe, não pode ser hoje já, vai ter que ligar amanhã até às 4:30... que é a essa hora que os serviços centrais fecham..."

Aqui não há exageros, atirei com o telemóvel para cima da secretária... Não é caso para tanto assim, mas isto tudo misturado com alguns eventos insólitos na espera para entregar os papeis inúteis, deixaram-me um pouco enervado...
É uma situação desnecessária que podia ter sido evitada se ambas as partes, eu e os responsáveis por essa informação, estivessem mais atentos. Vamos la ver como corre... As tantas ainda me rendo à candidatura online, na pressa.

1 comentário:

Daniel disse...

As candidaturas não acabam já. Tens tempo para pedir que te enviem isso por correio azul e voltar a entregar a candidatura.
Mas era óbvio que deverias ter contigo um comprovativo.